(81) 3222.5390 - 3221.3099
Em 26 de julho de 2019 - às 9:05

Comitê das mulheres gráficas de PE completa seis anos em ação

Ontem também foi o Dia Mundial da Mulher Latino Americana Caribenha. É preciso chamar sempre a atenção da sociedade contra o racismo, sexismo e todas formas de violências contra mulheres no lar ou no ambiente de trabalho, sobretudo diante do crescimento do feminicídio - assassinato de mulheres pelos próprios companheiros

Nesta quinta-feira (25), quando celebrou-se pelo mundo o Dia da Mulher Latino América Caribenha para mobilizar a sociedade contra o racismo e o sexismo, as mulheres gráficas do estado completaram seis anos da reativação do Comitê Feminino da Categoria em Pernambuco, que foi criado pioneiramente em 1953 pelo Sindicato da classe (Sindgraf-PE). O coletivo aproveita para ressaltar a importância da data de hoje para dar visibilidade às situações de desigualdade racial e de gênero, bem como para fortalecer as lutas das mulheres também contra a discriminação de classe, preconceitos e violências domésticas e no ambiente de trabalho.

O grupo ainda defende a unidade e organização das mulheres gráficas para se fortalecerem contra cultura machista e para defenderem os seus direitos, salários e melhores condições no seu ambiente de trabalho. E estimula o protagonismo feminino na política como representante política de suas pautas políticas, econômicas e sociais. Desse modo, a unidade das mulheres em torno do Sindgraf-PE, parcela que já são mais de 30% da categoria, é indispensável em defesa dos próprios direitos trabalhistas. Assim, a participação das trabalhadoras na campanha salarial da classe, que começará em breve (data-base é 1º de outubro) é de fundamental importância para não retrocederem em seus direitos e avançarem nas reivindicações.

 

O Comitê Feminino da Categoria em Pernambuco, formado por dirigentes mulheres do Sindgraf-PE, aproveita para revelar dados da Organização das Nações Unidas onde mostram que, dos 25 países com maior índice de violência contra a mulher negra no mundo, 15 estão na América Latina e no Caribe. Logo, é preciso combater isso. É vital combater os indicadores alarmantes do número de mulheres que morrem vítimas da violência que continuam altos e crescentes do Brasil desde a eleição de Bolsonaro, este que responde processo até por apologia ao estupro. Os índices de feminicídios só crescem no Brasil desde a chegada desse senhor na Presidência do Brasil.

 

O Comitê convoca as mulheres gráficas para despertarem o sentimento de continuidade de luta, marcantes nas mulheres do passado que enfrentaram um período mais atrasado. “Precisamos incentivar as mulheres a denunciarem as injustiças no seu lar e no ambiente profissional, contra assédios, discriminações e outras violências. Mas é preciso também se empoderar e ocupar os espaços representativos. O Sindgraf-PE é um desses locais, única entidade da classe gráfica no estado – única capaz de defender os direitos da classe trabalhadora, desde que com a participação dos homens e mulheres da categoria. Sindicalizem-se AQUI e vamos para mais uma campanha salarial”, convoca Iraquitan da Silva, presidente do Sindgraf-PE.

[+ Informe Diário]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Responda: *