(81) 3222.5390
Em 17 de maio de 2023 - às 7:36

Gráfica do colégio GGE é pega praticando banco de horas contra a Lei da categoria

O Sindgraf-PE garante 60 direitos acima da Lei Geral do Trabalho (CLT) em favor dos 6 mil trabalhadores da categoria no estado. Dentre esses direitos, obriga as gráficas a pagarem toda hora-extra feita pelo empregado, devendo ser na ordem de 65% quando feita em dias de semana e de 100% nos domingos, feriados e nos sábados compensados. As empresas podem até tentar fazer o banco de horas. Mas apenas é permitido se o empregado aceitar e, ainda assim, precisa ter o aval do sindicato no acordo, conforme define a Lei da classe (CCT). O novo presidente do Sindgraf-PE, Evandro Tavares, e os diretores Josival Alves e Marcilon Garibaldi, foram cobrar na gráfica do GGE (Recife/PE) o cumprimento da lei. Como prometido, a nova direção sindical passará a realizar blitz nas empresas. O Sindgraf-PE garante a luta. O gráfico garante o sindicato. SINDICALIZE-SE!

Em reunião durante a última semana, os sindicalistas alertaram a GGE para o descumprimento da Lei do Gráfico pela realização do banco de horas sem ter o aval sindical. A gráfica tentou justificar, mas sua própria justificativa foi utilizada pelos dirigentes ao alertar que a reforma trabalhista que alterou a CLT no tocante inclusive ao banco de horas também ampliou o poder da CCT por se tratar de negociação sobre o legislado (CLT). Ou seja, a Lei do Gráfico passou a ter ainda mais força do que possuía e o sindicato discorda do banco, ainda mais depois de ter sido implantado às escondidas do Sindgraf-PE, sendo descoberto somente agora pela queixa dos gráficos afetados pela medida contra o pagamento das horas-extras realizadas na empresa.

 

“É preciso acabar com o banco de horas de imediato. O Sindgraf tem instrumento jurídico para cobrar isso, com base até na reforma trabalhista, pelo mecanismo do negociado sobre o legislado através da CCT. Sem o aval sindical para banco de horas, como já demonstramos na reunião, resta a GGE começar a pagar pela hora-extra. Se não, podemos levar o caso para o Ministério do Trabalho, ou à Justiça do Trabalho através de ação de cumprimento da CCT”, explica Evandro e se coloca à disposição de todos os gráficos em qualquer gráfica que passe por isto. Denuncie mesmo. O sigilo é garantido. 

 

O Sindgraf-PE, por sua vez, valorizando sempre o bom diálogo, pois, o interesse principal é a garantia de direitos em prol dos trabalhadores, agendou uma nova reunião com a GGE e no sindicato a fim de esclarecer qualquer dúvida que a GGE tenha sobre a segurança jurídica dos gráficos de cobrar a sua hora-extra, bem como das complicações legais contra a empresa caso ela ainda insista em agir por fora da lei, em especial contra a CCT, a conhecida Lei dos Gráficos no Estado. Evandro também lembra aos gráficos da empresa que apenas juntos a categoria continuará forte. Portanto, sejam sócios.

 

[+ Informe Diário]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Responda: *