(81) 3222.5390 - 3221.3099
Em 9 de fevereiro de 2018 - às 15:02

IGB/Embrasa impõe troca de dias de trabalho sem aval dos gráficos

"Nenhuma gráfica no estado pode decidir sozinha a mudança na jornada dos gráficos, sem que firmados com a participação do Sindgraf", lembra Iraquitan da cláusula 53º da Convenção da classe sobre tais acordos

Diferente do que faz as gráficas do estado, e até mesmo do que já vinha fazendo nos últimos anos, a empresa IGB/Embrasa, no Cabo de Santo Agostinho, resolveu desrespeitar a Convenção Coletiva de Trabalho da classe para impor a seus trabalhadores um calendário de troca de dias de trabalho, sem considerar a opinião da classe. É por conta disso, por exemplo, que de forma intransigente, os empregados, pela primeira vez, estão sendo obrigados a trabalhar neste sábado do Galo da Madrugada, mesmo tendo de enfrentar a dificuldade de transporte para ir e voltar do trabalho para casa, sobretudo os muitos que moram longe da empresa – esta que também demonstrou o seu total respeito sobre esta situação.

 

“A IGB/Empresa fez o calendário arbitrário de trocas de dias de trabalho sem escutar seus gráficos, desconsiderando inclusive a reivindicação da liberação para que este sábado do Galo fosse compensado no dia 13 de julho, que é feriado no Cabo. Além de arbitrário, prejudicará a todos que terão dificuldade de se locomover (ida e volta)”, realça Iraquitan da Silva, presidente do Sindicato da categoria (Sindgraf-PE). O dirigente esteve inclusive ontem na frente da empresa, onde, ao lado do vice-presidente do Sindgraf, Marcelo Braga, que é funcionário da IGB/Embrasa, realizou uma assembleia com os gráficos de lá para definir, com a empresa,  o calendário de compensação para 2018. Na ocasião, a empresa expôs a sua posição às pressas e sem ouvir a categoria, ficando pendente até a resposta sobre a folga de amanhã, sendo dada uma resposta negativa só hoje e porque o sindicato interveio, buscando a resposta da empresa, a fim de repassar aos trabalhadores que continuavam sem informação.

 

A postura arbitrária da empresa está em sintonia com o que permite a nova lei da reforma trabalhista do Temer e seus aliados, podendo trocar o dia de trabalho baseada somente da necessidade empresarial. Mas, graças a luta dos gráficos na recente campanha salarial, com destaque a atuação dos trabalhadores da IGB/Embrasa, onde há um significativo número de sindicalizados, barraram este e diversos outros absurdos da nova lei através da inclusão de regras na Convenção Coletiva da classe.

 

Assim, a empresa até pode impor o trabalho amanhã, sem considerar a dificuldade dos gráficos, pois tal dia integra a jornada oficial dos gráficos de lá. Porém, o Sindgraf adianta que não terá validade alguma qualquer que seja o calendário de compensação de jornada para 2018 imposto pela empresa. Isso porque, segundo explica Iraquitan, há regras claras sobre a questão. O Sindicato e todos os trabalhadores terão inclusive a Justiça e o Ministério do Trabalho em favor deles, porque a Convenção da classe tem força de lei. A cláusula 53º diz literalmente que “Acordos Coletivos de Trabalhos pactuados pelas indústrias gráficas, só terão validade quando firmados com a participação do Sindgraf”. Fica da dica!

 

FESTA DO GRÁFICO 

Festa do Gráfico lançará bloco ‘Golpistas, tirem a mão do meu direito’. A festividade será no domingo (18) após o Carnaval no Sesi-Ibura. E o bloco será a campanha fixa de organização da classe para proteger seus direitos contra aplicação da lei da reforma trabalhista

[+ Informe Diário]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Responda: *