(81) 3222.5390 - 3221.3099
Em 13 de janeiro de 2015 - às 15:51

Previna-se: saiba tudo sobre pedra nos rins

 

Se uma “PEDRA NO SAPATO”, como diz a expressão popular, já não é nada confortável, imagine no rim. Recentemente, o rei do futebol, EDSON ARANTES DO NASCIMENTO, mais conhecido como PELÉ, foi internado às pressas para uma cirurgia de CÁLCULO RENAL. O caso chamou atenção do país para a doença, e o DAQUIDALI conversou com um especialista para saber como se prevenir ou lidar com esse problema, que pode causar um grande estrago.

 

 

AI, NÃO!

Imagine-se vivendo a vida normalmente, seguindo sua rotina, quando de repente é pega de assalto por uma dor que te deixa até confusa. Ninguém merece, não é? Mas é assim que a maioria das pessoas descobre que está com pedras nos rins. “A CALCULOSE pode se manifestar através de uma forte e extremamente típica dor na região lombar, que costuma irradiar para o abdome e pode migrar para outros lugares”, explica o NEFROLOGISTA DANIEL RINALDI DOS SANTOS, PRESIDENTE DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA.

 

 

SINTOMAS

É importante estar atenta, porque apesar dos inúmeros relatos com dor, existem casos em que não se sente absolutamente nada e a descoberta acontece de modo casual. De acordo com o médico, “o cálculo pode crescer no seu rim, você não sentir dor nenhuma e só descobrir por exame de imagem, por exemplo. O mais comum é a CÓLICA NEFRÉTICA, que muitas vezes vem acompanhada de náuseas, vômito, sangue e fragmentos do cálculo eliminados na urina”.

Procurar um médico para tomar uma medicação específica é a melhor opção quando a dor ataca. Foto: Wavebreakmedia Ltd / Thinkstock

 

 

EM CASO DE CRISE, REAJA!

O cálculo leva à obstrução da urina, mas é QUANDO ELE SE MEXE dentro do rim que a dor aparece. “Mesmo que a pedra esteja parada, isso não significa que você não tem um problema”, lembra o Dr. Daniel. E estar bem informada faz com que com você não se desespere quando pega de surpresa por uma crise: “ter um ANALGÉSICO à mão pode aliviar a dor do momento, mas o ideal mesmo é PROCURAR UM PRONTO-SOCORRO e tomar uma medicação injetável específica para o caso”, orienta.

 

 

Ao contrário do que muita gente pensa (e faz!), beber água durante o episódio de dor não ajuda em nada. “Tomar muito líquido piora a situação, porque você obriga seu rim a trabalhar e ajuda a pedra a se movimentar”, alerta o especialista.

 

CAMINHO DA CURA

Rinaldi aponta os tratamentos existentes:

– CLÍNICO. “Se baseia em um tripé: tomar bastante agua, adequar sua dieta e lançar mão de alguma droga especifica pra amenizar o problema”, diz o nefrologista.

– RETIRADA CIRÚRGICA. “Em caso de cálculos maiores que 6 a 7 mm. Podem ser utilizadas máquinas com ondas de choque que quebram a pedra ou cirurgias por vídeolaparoscopia, no intuito de tentar ‘pescá-la’. Em situações extremas, é preciso abrir o rim”, frisa o médico.

– DIÁLISE. De acordo com o profissional, “como pode haver perda da função renal, é necessário submeter o paciente a sessões de hemodiálise, uma filtragem do sangue feita por máquina”.

 

 

Dizer que o cálcio presente no leite e derivados causa pedra nos rins é errado. Isso é um mito. Foto: belchonock / Thinkstock

 

 

CHEGA DE MITOS

O nefrologista aponta os principais mitos sobre a formação da doença:

– O CÁLCIO PRESENTE NO LEITE NÃO CRIA CÁLCULOS RENAIS. “Apesar das pedras serem formadas predominantemente por cálcio, os leites e derivados não possuem concentrações suficientes para serem perigosas. Até quem já tem não precisa cortá-los do cardápio”, revela Santos.

– Deixe a semente de tomate em paz. “Não há nada comprovado que ela prejudica. Você precisaria comer muito para formar uma pedra. Aliás, NENHUMA SEMENTE, SE FOR SAUDÁVEL, FAZ MAL”, salienta Dr. Daniel.

 

 

RECOMENDAÇÕES

– TOME BASTANTE ÁGUA E SUCOS NATURAIS, em especial de limão e laranja: “são ricos em citrato, que impedem a formação do cálculo. Ah, e nada de se basear na sede. Veja a cor da urina, quanto mais amarelada, mais água falta”, diz Santos. Não custa reforçar: lembre-se de tomar antes, para prevenir, e não na hora da dor.

– Se você tem histórico familiar ou sentir cólica, é importante ir atrás de um ESPECIALISTA.

– Já tem cálculo? “Aposte em uma DIETA MAIS SAUDÁVEL, rica em grãos e em fibras”, recomenda Rinaldi.

– DIMINUA A INGESTÃO DE CARNE VERMELHA E DE SAL, pois contêm substâncias que facilitam a formação das pedras.

– NÃO SE AUTOMEDIQUE. Procure sempre a orientação de um médico.

– Sabe o famoso “CHÁ DE QUEBRA PEDRA” de que sua avó sempre falou? Ele realmente funciona. “Vem de uma planta especifica, e foi comprovado que o uso contínuo desse chá quebra a pedra, facilita a eliminação e impede a agregação. Tem substâncias benéficas de verdade”, afirma o nefrologista.

 

fonte:daquidali

[+ Saúde do Trabalhador]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Responda: *