(81) 3222.5390
Em 13 de maio de 2022 - às 5:01

Salário e direitos na ETC melhorarão para gráficos após enquadramento sindical

Os trabalhadores das duas unidades da ETC (Olinda e Recife) atuam com atividades gráficas, mas não eram assim considerados quanto ao valor de seus salários e direitos coletivos porque a empresa negava o correto enquadramento sindical ao se auto classificar como sendo do comércio. O Sindgraf levou o caso para o MTE, recebendo grande ajuda do órgão federal, o que resultou na reavaliação agora da empresa e sua garantia de que é do ramo gráfico e seguirá tais regras até 31 de junho. Em outras palavras, vai garantir as faixas salariais, inclusive do piso de ingresso variando de R$ 1.539,61 a R$ 2.505,70, a depender da função, bem como garantirá os reajustes de 10,78% desde 1° de outubro de 2021 para as faixas superiores, além dos demais direitos da Lei dos Gráficos.

Até o final do próximo mês, depois de demonstrado pelo Sindgraf-PE no Ministério do Trabalho (MTE) que as unidades da empresa ETC atuam com atividades gráficas, o escritório contábil do empreendimento seguirá tudo o que defina a Lei dos Gráficos (CCT), a iniciar pelo enquadramento sindical, garantindo a atualização de salários e todos os direitos do ramo. Tudo ficou acordado nesta semana, tendo sua validade retroativa a 1° de outubro, que é a data-base da classe. O Sindgraf-PE garante luta. O gráfico garante o sindicato. SINDICALIZE-SE.

 

O diretor da consultoria contábil da ETC, em concordância da empresa, confirmou que tudo estará ajustado até o final do próximo mês. “As empresas após análise da situação e proposta apresentada pelo Sindgraf-PE passará (SIC) a seguir a CCT (Lei dos Gráficos em PE), com data retroativa ao mês de outubro de 2021”, disse Amaro da Costa, diretor executivo da referida consultoria, a CRG.

 

Em PE, o Sindgraf é o único sindicato legalmente validado pelo MTE para representar todos os trabalhadores das gráficas convencionais e digitais, inclusive todas as gráficas rápidas, sejam pequenas ou grandes. “Assim, nenhuma dessas empresas do setor ou escritórios contábeis podem seguir regra de entidades de outras categorias, como vem tentando fazer uma federação ligada ao comércio (Feconeste), rebaixando salário e elevando o trabalho na ETC”, realça Iraquitan da Silva, presidente do Sindgraf-PE.

 

Qualquer gráfica convencional, digital ou rápida que tiver pagando menos de R$ 1.539,61 (piso para iniciantes) a R$ 2.505,70 (piso para impressor) a seus trabalhadores, estará irregular, mesmo que seguindo a Feconeste ou qualquer outro sindicato que não seja a Lei dos Gráficos, consolidado pelo Sindgraf-PE e entidade patronal (Sindusgraf), validado no Ministério do Trabalho, com base no Código Brasileiro de Ocupações e da CNAE.

 

A gráfica ou escritório contábil será responsabilidade se insistir na prática ilegal e terá de pagar tudo. Basta que o gráfico, denuncie ao Sindgraf-PE. “Fizemos a nossa parte em defender os gráficos da ETC. E, agora, esperamos que todos não deixem de reconhecer essa luta que resultará em melhorias para todos. Peço que todos se sindicalizem. Isso fortalece as lutas e as conquistas. SINDICALIZE-SE”, convoca Iraquitan.

[+ Informe Diário]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Responda: *