(81) 3222.5390 - 3221.3099
Em 7 de outubro de 2020 - às 6:51

Sindicato aplica Lei do Gráfico para evitar fragilização de todo setor

Em plena campanha salarial em defesa da vida, emprego e da renda do trabalhador através da renovação da Lei do gráfico (Convenção Coletiva de Trabalho), o Sindgraf-PE aplica a lei contra empresa que descumpre direitos dos gráficos para baixar custos e competir deslealmente com as gráficas regulares. A ação evita a desregulamentação do setor gráfico. O Sindgraf garante luta. O gráfico garante o sindicato. SINDICALIZE-SE

Nesta quarta-feira (7), após se reunir há poucos dias com o Sindgraf-PE na mediação virtual da Superintendência Regional do Trabalho em PE, órgão do Ministério da Economia, o dono da gráfica Art Fast, no Recife,  terá de responder as cobranças sobre o contrato de trabalho de um de seus empregados e o pagamento salarial dele. O empresário precisará explicar sobre quase um ano de trabalho sem o registro em carteira. Foi por isso que o trabalhador buscou ajuda do sindicato. Ele também pediu para a entidade sindical cobrar o pagamento salarial conforme define a Lei do Gráfico no Estado (Convenção Coletiva de Trabalho da classe). Até mês passado, nenhum gráfico podia ganhar menos de R$ 1.336,34 por mês, valor que aumentará este mês após o fim da campanha salarial

 

“O Sindgraf-PE garante a luta não somente para manter a Lei do Gráfico todo ano, mas batalha para que todos direitos desta lei sejam cumpridos pelas empresas, independentemente do seu tamanho, ou do número de trabalhadores. Contudo, para isso continuar ocorrendo, todos os gráficos precisam garantir também o sindicato, ou seja, sindicalizando-se. É bem fácil. CLIQUE AQUI e preencha os dados”, explica Iraquitan da Silva, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Gráficos de Pernambuco.

 

Com o trabalhador garantindo o sindicato enquanto guardião da Lei da classe e dos gráficos, toda empresa terá de cumprir tudo à risca. Assim, no caso da ArtFast, se a gráfica não provar o contrário das reclamações apresentadas no Ministério da Economia, terá de regularizar o registro profissional do trabalhador. Também terá de corrigir a questão salarial. Portanto, ela terá de assinar a carteira pagar todas diferenças salariais.

 

Lidiane Araújo, diretora do Sindgraf que acompanhou o gráfico durante a 1ª mediação na última semana, aproveitou para cobrar ainda do patrão o pagamento das verbas rescisórias do trabalhador, caso demita. Chamou a atenção para outra obrigação na Lei da categoria. “Precisará entregar o Perfil Profissiográfico Previdência do funcionário (PPP). O documento é fundamental para garantir a aposentadoria futura de qualquer gráfico. O Sindgraf garante luta. O gráfico garante o sindicato. SINDICALIZE-SE!

[+ Informe Diário]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Responda: *