(81) 3222.5390 - 3221.3099
Em 18 de março de 2016 - às 8:10

Mulheres gráficas doam fraldas para mães de bebês microcéfalos

Campanha de solidariedade do Comitê Feminino segue até final do mês

O Comitê Feminino do Sindicato dos Trabalhadores nas Gráficas de Pernambuco continua recebendo fraldas descartáveis para a campanha solidária às mulheres mães de bebês microcéfalos. A campanha segue até o final do mês. O Sindgraf-PE está aberto de segunda-feira à sexta-feira em horário comercial. Cerca de 140 mães, que tratam seus filhos microcéfalos na Fundação Altino Ventura, no Recife, ficarão felizes em receber a doação de trabalhadores e trabalhadoras gráficas. O Comitê iniciou a campanha no último domingo (13) durante o evento em homenagem às mulheres gráficas pelo Dia Internacional da Mulher.

 

Na ocasião, foi anunciado que mais mulheres integrarão a direção do sindicato, após eleição em 6 de abril. A chegada de novas trabalhadoras dentro do sindicato poderá ajudar a fortalecer o Comitê Feminino neste novo período. O Comitê, desde quando foi refundado há três anos, visa fortalecer a unidade, conscientização e a solidariedade com e entre as mulheres gráficas de Pernambuco em torno da sua entidade de classe.

 

“A unidade, conscientização e a solidariedade são fundamentais para as trabalhadoras fazerem surgir o protagonismo necessário desta parcela feminina da categoria (hoje somos 30% do setor) em defesa de todas,  assim como os trabalhadores homens já fazem tradicionalmente, participando mais do Sindgraf, sindicalizando-se, e das ações sindicais em defesa dos direitos”, avalia Lidiane Araújo, coordenadora do Comitê e vice-presidente do Sindgraf-PE.

 

Muitas fraldas foram entregues, com destaque a doação de uma parte das gráficas da empresa Multimarcas, porém ainda são poucas fraldas tamanha a quantidade e necessidade das dezenas de mães de bebês com microcefalia. “Nos, mulheres gráficas, unidas, solidárias e sabendo no nosso papel social em torno de uma causa cidadã, podemos amenizar, um pouco, a necessidade de outras mulheres, como por exemplo nesta campanha das fraldas”, diz Lidiane, esperando a contribuição das trabalhadoras que não puderam participar do evento no domingo (13), bem como a doação dos homens.

 

“Se com nossa unidade, consciência e solidariedade podemos ajudar as mães de bebês microcéfalos, isso mostra que, coletivamente, podemos avançar também em defesa de nós, trabalhadora gráfica nas empresas”, destaca Lidiane, frisando que o foco principal do Comitê Feminino são as empregadas gráficas, visando amenizar as injustiças no seu trabalho.

 

Está mais que na hora das trabalhadoras de forma unificada, consciente e solidária em torno do Comitê Feminino do Sindgraf, movimentarem-se em defesa da manutenção e do avanço de seus direitos trabalhistas nas gráficas, bem como lutarem ainda pelo fim dos assédios moral e sexual, desigualdades em faixas salariais, além de outros variados problemas.

 

Lidiane lembra  as trabalhadoras gráficas de que só sabe do problema da outra pessoa quem sofre igual ou parecido, ou quando se coloca no lugar dela de maneira solidária e se envolve. É o que está acontecendo na campanha das fraldas para as mães de bebês microcéfalos. É preciso agora que as trabalhadoras, que sabem como a mulher sofre na empresa, comecem a se envolver e participar em torno do Comitê.

 

“Estou muito feliz de poder fazer parte deste Comitê e de, junto com as profissionais gráficas, atuar e estimular a unidade, conscientização e a solidariedade entre e com esta parcela da categoria”, disse Lidiane ao acabar o evento das profissionais no domingo. Ela se diz feliz por poder colocar em prática as ideias e intenções em defesa das trabalhadoras.

 

Lidiane conclui falando para as mulheres gráficas que todas precisam perceber a relevância da unidade delas entre elas, por meio desta força única da mulher; que necessita estar consciente para atuar juntas dentro do Sindgraf –  órgão de classe que atua todo dia para defendê-las;  mas que só com a participação de cada uma através do Comitê, assim estarão protegendo uma às outras através de uma ação organizada e coletiva, a exemplo do que hoje já está acontecendo com a campanha solidária do Comitê Feminino para as mães de bebês com microcefalia.

[+ Informe Diário]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Responda: *